Banner Principal Jornal
Banner Principal Doe sangue

"Mesmo com restrições, retomada de atividades religiosas representa risco", afirma infectologista

Para médico, não há garantias de que regras impostas serão respeitadas. "Risco de contágio é alto"

Por Thiago C. DRT 4029/GO em 20/04/2020 às 13:40:12

A partir desta segunda-feira (20), atividades religiosas poderão ser retomadas em Goiás, com diversas restrições. Novo decreto estadual prevê liberação de cultos presenciais com uso obrigatório de máscara, local e materiais para higienização, celebrações coletivas limitadas e distanciamento de dois metros entre os fiéis. Para o infectologista Boaventura Braz de Queiroz, no entanto, mesmo com as ressalvas, flexibilização representa grande risco de disseminação do coronavírus.

O novo decreto permite que as igrejas realizem celebrações coletivas com até 30% da capacidade total de acomodações. Tais atividades poderão ocorrer, no máximo, duas vezes na semana em 227 municípios goianos. Outras 19 cidades como Goiânia e Anápolis, por exemplo, terão direito de realizar somente um encontro coletivo presencial por semana.

Para Boaventura, porém, a liberação é tida como desnecessária, uma vez que "a questão espiritual pode ser resolvida individualmente". Segundo ele, a proibição de atividades religiosas deveria ser prorrogada pelos próximos dois meses. "A religiosidade pode ser, para muitos, uma necessidade básica, mas é uma questão que pode ser resolvida individual e internamente, em casa ou com celebrações virtuais", afirma.

O infectologista ressalta que a liberação das atividades pode causar danos imensuráveis, já que as pessoas ficarão expostas à disseminação e contágio do coronavírus. " É um risco. É um fator que colabora muito para a proliferação do vírus. Se tiver uma pessoa sintomática, ela vai liberar disseminação e outras tantas poderão ser infectadas".

Boaventura comparou, ainda, a situação das igrejas com as escolas. Segundo ele, a perda de um aluno é muito maior sem aulas presenciais do que a perda de um fiel em casa. "A gente sabe que, para alguns, o ganho é muito maior dentro de sala de aula e têm escolas que nem conseguiram fazer essa adaptação online ainda. Como você abre mão de colocar alunos em sala de aula e permite aglomeração de cunho religioso?", criticou.

Sem rigidez

O médico destaca que, mesmo com as duras restrições impostas, as igrejas dificilmente conseguirão cumpri-las. "Você certamente não vai ter o isolamento social necessário. As medidas não serão cumpridas em sua totalidade e isso é um grande problema".

Dentre as recomendações do novo decreto estão o uso obrigatório de máscara, afastamento de, no mínimo, dois metros entre os membros, disponibilização de produtos para higienização das mãos e calçados, proibição de idosos com mais de 60 anos e pessoas consideradas do grupo de risco na congregação. Além disso, as igrejas terão de medir a temperatura dos fiéis com termômetro infravermelho, sem contato. Caso seja constatado quadro febril, o templo deverá vedar a entrada.

Mesmo com as determinações, o infectologista teme a disseminação do vírus. "Infelizmente a gente sabe que não haverá um controle rígido dessas restrições. Para começar, são ambientes fechados, não há ventilação e o distanciamento entre os fiéis será muito complicado. O percentual de contágio pode ser alto. O risco é tão grande que é difícil até mensurar o quanto isso pode afetar as pessoas", disse.

Boaventura pediu, ainda, que as pessoas fiquem atentas às medidas de segurança e as cumpram com rigidez. "São ferramentas que temos para evitar a transmissão e o contágio. Então lembrem-se de usar máscara, higienizar as mãos e todas as superfícies e objetos que podem ter sido usados por terceiros".

Fonte: Jessica Santos Do Mais Goiás

Auto Posto Caranda

Comentários

JAVA TELECOM